Bife: Polonia, Berlin e Praga!

0
by on Maio 8, 2013 at 9:55 am

 

Polônia – praça da Cracóvia

Depois de um longo tempo voltei para escrever. Na verdade os blogs da Mel tem estado tão bons que não sobra muito assunto para falar. E repetir as mesmas coisas seria chato para quem lê.

Achei a Polonia foda!! Principalmente a cidade de Cracóvia que é linda e tem a mais bonita praça que já vi na Europa. Somente ao redor da praça há cerca de 2000 bares e restaurantes!! Cada um mais legal do que o outro…no Rio não há nada parecido, nem de perto. A capital Varsóvia tb é legal mas um pouco menos. Gostei da educação do povo. Ganharam uma nota 6 em simpatia.

Em função do elavadíssimo custo (e em EURO!!) decidimos ir somente para Berlin na Alemanha. E acho que tomamos a decisão correta!! “Botô” a cabeça para fora do hotel já tá gastando dinheiro….e muito! Um café da manha composto por um croissant e um café dentro do metro saía por cerca de 10 euros!! Que saudade do Egito!! Achamos que não teria muito sentido visitar um país como a Alemanha e termos que ficar nos privando de várias coisas legais. Achei a cidade muito boa em relação às atrações turísticas. Tem para todos os gostos e assuntos e várias são ao ar livre e de graça. Tirando as atrações não achei a cidade tão bonita. Não é tanto o meu estilo: muito concreto, prédio, construções e um pouco suja comparada a outras que passamos na Europa. Não achei relaxante. Pegávamos uns 6 metrôs por dia de um lado para outro e depois de alguns dias ficamos exautos. Destaque positivo para o transporte público que é simplesmente fenomenal. Acho que o Rio nunca terá um igual…quem sabe a geração dos meus netos um dia veja… Trens e ciclovias por todo canto…pra quê ter carro? Berlin não tem trânsito!!! O passeio de barco foi na minha opinião o mais legal de todos e recomendo no final da tarde.

Berlin Oriental e do outro lado do rio a Ocidental

Algumas coisas tb nos chamaram a atenção: Quando o sinal de pedestre está vermelho, mesmo que não venha ABSOLUTAMENTE nenhum carro, as pessoas não atravessam!! Ficam em pé olhando para o nada e esperando (até de madrugada!)…chega a ser engraçado. Isso que é educação. Acho que se soltar esses caras daqui no trânsito do Rio eles morrem atropelados no primeiro dia. No Brasil nem sinal neguinho respeita….outro ponto é o fato de se andar nos trens e metrôs na base da confiança. Vc tem que comprar o bilhete e validar em uma máquina antes de entrar e pronto!! Ninguém te pergunta nem cobra nada….muito de vez em quando um fiscal entra para verificar se as pessoas estão portando o bilhete. Honestamente acho que nunca daria certo no Brasil, aonde em um ônibus além do motorista tem um trocador e mesmo assim vagabundo “pula” a roleta e não tá nem aí!! Já viu no verão volta de ônibus da praia com geral pendurado sem pagar? Imagina se ainda tivessem a liberdade de não serem abordados por ninguém? Até agora só vimos uma “blitz” na Polonia e imagina quem foi pego sem bilhete??? Um TURISTA!!! Aqui é tudo na base da liberdade com responsabilidade: foi pego sem ticket…, UM ABRAÇO AMIGO!!! Vende as calças para pagar a multa! Em relação a simpatia e hospitalidade do povo daria uma nota 5.

Rumamos para Praga que por sinal não decepcionou a sua fama de uma das cidades mais bonitas do mundo. Tudo é bonito: a arquitetura, os hotéis, os bares e cafés, os palácios e jardins…a cidade tem uma excelente estrutura de transporte público, então vale a pena ficar fora da Old City para economizar e usar o metrô. O custo é alto (acho que igual ao da Alemanha). Nesses países MAIS caros vale a pena uma hospedadem com café incluído mesmo que sejam alguns dólares a mais…assim como na Alemanha um pedaço de pão não se paga com uma “moedinha”… fomos cometer o erro de mudar de hotel achando que íamos economizar e entramos pelo cano…Ainda bem que casei com uma mulher que poderia ter sido da GESTAPO (polícia Nazista). Se nos meus poucos posts alguém me achou “pão duro” é porque não viram ainda a Mel!!! Controla até as moedas e não entende que o nosso orçamento é na verdade uma média, ou seja, nos países mais caros gastamos mais e nos mais baratos menos do que a nossa média necessária!!! Fica em pânico quando passamos do orçamento diário….

Praga – Charles Bridge

Como em praticamente todas as principais cidades da Europa, vale a pena comprar o CITY (tourist) PASS que dá direito a usar ilimitadamente todos os meios de transporte, desconto em museus, restaurantes, lojas, hotéis…além de economizar ainda poupa o trabalho de toda hora ter que ficar parando para comprar ticket na máquina.

Próximos destinos: Austria, Hungria, Bósnia, Croácia e Grécia, aonde descansaremos uns dias para recarregarmos as energias rumo a Rússia!!!

(Muito) Mais de Berlin!

0
by on Abril 29, 2013 at 10:02 pm

THE WALL: em todas as artes!

Talvez a tarefa mais difícil deste blog até agora: como falar de Berlin em apenas algumas linhas? Impossível e com certeza cometerei o pecado de deixar passar algo importante, histórico, bonito, triste, gostoso, intrigante e por aí vai… Berlin se resume nisso: um turbilhão de coisas para se ver e sentir! Também é o motivo pelo meu atraso nos relatos já que deixamos esta cidade incrível há 3 dias e no momento escrevo de Praga! Não deu tempo! Ficamos 1 semana e posso dizer que vimos QUASE tudo! Mas em um ritmo que não é para qualquer um! Bife brincava comigo dizendo se sentir naquele programa: “Amazing Race”! Acorda cedo, vai para um museu, sai deste para um monumento, pega o tour, come em pé para dar tempo de pegar o barco e por aí vai! Chegávamos todo dia exaustos no hotel e no computador só deu tempo mesmo para o Imposto de Renda!

 Bom, depois de 1-2h tentando nos entender com as mil linhas de trem e metro, chegamos no nosso hotel na antiga Berlin ocidental (mais longe das atrações porém mais barata para ficar). Compramos o passe de acesso livre aos transportes públicos de 5 dias (+ desconto em vários museus, lojas e tours). Vale muito a pena! Nosso hotel ficava no meio do paraíso das compras: Prada, Cartier, Valentino, Gucci, Rolex…, e por aí vai!). Fingi que era cega, traçamos uma reta até o metrô e seguimos para as atrações. E que atrações…!

A história triste virou piada…

 Berlin é um livro de história e como retribuição ao mundo pelas atrocidades cometidas no passado, muita coisa é gratuita! Depois de passar por Israel e Polônia, que tanto sofreram nas mãos dos alemães, estávamos doidos para ver a história contada pelos próprios que também sofreram…, e muito!

 Em ordem cronológica da história tentarei descrever tudo que fizemos!

1)      Free Walking Tour + Torre da TV + Passeio de barco por Nikolaiviertel: Três ótimas maneiras para ter uma idéia geral da cidade. O tour é imperdível pois além de gratuito resume a história que vai dos reis às guerras, de Hitler à Stalin e o comunismo até a queda do muro em 1989. A torre dá uma visão aérea e explicações sobre cada bairro e monumento e o passeio de barco mostra uma Berlin muito diferente da que vemos ao andar pelas ruas, mostra a vida ao redor do rio! Bares, cafés, pistas de corrida, gente modernosa…, além de um outro ângulo (bem mais bonito por sinal) da arquitetura da cidade. Ao final vele conferir o bairro pequenininho de Nikolaiviertel!

Free Walking Tour

Visão do barco

 

 

 

 

 

 

 

 

2)      Potsdam: área dos castelos e fica há 30-40 min de Berlin. Não vale tanto para quem tem pouco tempo na cidade. Passa longe de

Palácio de Potsdam com o jardim comunista: ficava no lado oriental!

um “Versailles” e conta a história de séculos passados e do antigo reino da Prússia. Só valeu vermos de perto o local que reuniu Stalin (URSS), Truman (EUA) e Churchill (Reino Unido) para um cafézinho nada “amigável” mas necessário para dividirem entre eles a administração da Alemanha após a vitória na Segunda Guerra!

3)      Portão de Brademburgo e Reichstag: altamente bombardeados na Seg Guerra, são os símbolos da Alemanha e ponto de divisão entre Berlin/Alemanha Ocidental e Oriental. Pitstops obrigatórios! No Reich funciona hoje em dia o Parlamento e podemos visitar sua cúpula de vidro no topo do prédio vendo os parlamentares trabalhando lá em baixo! Sinal de “clareza” do governo ao povo que representa, diferente do que a ditadura nazista e comunista fizeram com o país!

O portão de Brademburgo

O Reich (stag)

 

 

 

 

 

 

 

 

4)      Tour do 3º Reich + Topografia do Terror + local do quartel underground do Hitler: Uma coisa que não existe (ao contrário do que muitos acham) é vergonha de contar a história que eles próprios, alemães, se envergonham! Mostrar qualquer coisa com a suástica (símbolo do nazismo) em praça pública hoje em dia dá 2 anos de cadeia! O tour passa pelo “Bunker” (quartel) de Hitler…, ou melhor…, pelo parque que ficou no lugar após a destruição pelos soviéticos e que hoje as pessoas levam seus cães para fazer cocô!!! E também onde seu corpo foi achado após o suicídio! Como foi queimado…, nunca foi identificado…!!! Aprendemos que Himmler (cabeça da SS) foi igual ou pior que Hitler! E o que fez este doido austríaco (também não sabia) chegar ao poder…! Cara sem estudo após tentar ser pintor (juro!)…, oposição em um momento de crise (do pós 1ª Guerra), apoio à classe trabalhadora e muita mutretagem…!

Topografia do Terror: museu do Nazismo

Local do Bunker e onde acharam o corpo de Hitler

 

 

 

 

 

 

 

5)      Memorial aos judeus mortos + Campo de Concentração: o primeiro próximo ao prédio do Reich e do ex-quartel de Hitler com um museu do Holocausto no underground e o segundo uma day-trip (não fomos pois já tínhamos ido a Auchwitz)

6)      Muro de Berlin + Checkpoint Charlie: o fim da Guerra de bombas e fogo e o início de uma guerra “Fria”! Duas visitas também imperdíveis! Tem vários pedacinhos da “cortina de ferro” ainda na cidade e um deles virou uma galeria de arte com os grafites de famosos no mundo todo! Com o fim da segunda guerra, Alemanha foi dividida e o oriente ficou para os russos comunistas enquanto o ocidente para os EUA. Este lado desenvolveu e enrriqueceu enquanto o outro só afundou! Resultado: milhões de pessoas começaram a migrar do leste para o oeste. Para acabar com a evasão total: MURO! Duplo com areia no meio para dificultar a fuga e guardas de outros locais pois se fossem alemães do lado oriental poderiam também ter a tentação de pular para o ocidente! Inacreditáveis as histórias dos fugitivos (que não morreram na tentativa): caiaque, balão e até casamento falso era válido! A história do casamento foi boa: com a divisão do muro um cara ficou de um lado e sua noiva do outro. O que o gênio do mal fez? Casou no ocidente, levou a nova mulher para o oriente, largou ela lá sem documento nenhum e trouxe no lugar sua antiga noiva com os documentos da outra!!! Coitada, perdeu o marido e a liberdade já que por isso ainda ficou 2 anos presa!!!

Parentes de um lado visitando os do outro (até ser proibido de vez) / Queda do Muro

O Checkpoint Charlie era a fronteira entre os dois lados e no seu museu várias histórias como essa são contadas!

Checkpoint Charlie

7)      A moderna Berlin: além dos grafites, seus incontáveis cafés e restaurantes, bares e boites, pubs e live music, lojas e galerias, museus e o cruzamento do parque com o rio que fica no coração da cidade mostram que Berlin colocou uma pedra em seu passado! Algumas sequelas como o estilo “revoltadinho” dos jovem pelas ruas com seus cabelos vermelhos, verdes ou azuis…, restaram! Se reergueu em grande estilo após as guerras e queda do muro. À noite é tão viva quanto de dia e o hotel só serve para cairmos mortos entre um bar e o próximo despertador!

Berlin modena!

Loucos ciclistas: no carrinho, um bebê!

 

 

 

 

 

 

 

Trajeto do muro: hoje, passe livre!

in Alemanha, Europa

Berlin: a capital dos Grafites!

0
by on Abril 28, 2013 at 10:42 pm

Será herança de um muro de 155Km???

 

 

  

Nem nosso Hostel escapou!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A “arte” da Guerra: lembranças…!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                      Agora sim: ELE…, “THE WALL”…, em carne viva…, ou melhor, concreto “VIVO”!!!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

in Alemanha, Europa

De Varsóvia a Berlin! O outro lado da moeda.

0
by on Abril 27, 2013 at 9:33 pm

 

Varsóvia

Cidade que guarda o coração de Chopin (literalmente pois foi retirado de seu corpo e enterrado em uma das colunas de uma das Igrejas)…, temos pouco para falar de Varsóvia nos dias de hoje se compararmos com o peso e importância da história que carrega! A capital da Polônia praticamente deixou de existir após a Segunda Guerra…, foi completamente bombardeada e transformada em cinzas! As fotos são impressionantes! Nada ficou de pé…, absolutamente nada! Como em Chernobyl as pessoas deixaram tudo para trás mas com determinação e emoção puderam ter a oportunidade de voltar, morar nos escombros e iniciar um árduo trabalho de limpeza e reconstrução que durou quase 10 anos para que novamente a cidade ganhasse cara e corpo!

O Palácio da Cultura. Varsóvia.

E conseguiram! O centro histórico reconstruído da cidade é super charmoso com sua praça e cafés e a rua que liga a cidade atiga com a nova é um agito só de gente jovem e bonita! Os museus são espetaculares como Cracóvia e o cartão postal da cidade é na verdade o menor motivo de orgulho: o Palácio da Cultura! Prédio gigantesco construído após os soviéticos terem destruído o exército alemão e dominado a Polônia. “Presente de grego” dizem os atuais cidadãos! Odeiam o prédio…, um dos poucos sinais restantes do comunismo junto com o albergue que vimos: “Good By Lenin!”

 

 

 

 

 

 E de novo palmas para o Free Walking Tour! Esse ao final ainda nos deu um copinho de vodka, bebida típica daqui ensinando todos a tomar de uma só vez e de forma a não dar ressaca! Funcionou!!!

A “antiga-nova” praça reconstruída!

 

 

 

 

 

 

 

 

De Varsóvia mais um trem nos deixou na capital da Alemanha (Berlin) em 7 expressas horas! Do oprimido (Polônia) ao opressor!!! Agora sim veremos o que conta o outro lado da mesma moeda!!!

Descobrimos que somos completamente dependentes e viciados no Lonely Planet…, nosso (e melhor) guia de viagem. Para o turista independente digamos que é fundamental!!! Não tínhamos achado para comprar um da Alemanha e não conseguimos baixar do site e assim nos encontramos em plena estação central e gigantesca de trem de Berlin! Ficamos que nem perus tontos indo de um lado a outro e de cima a baixo (tem 5 andares!) tentando achar um meio de chegarmos ao hotel! Depois que você entende as bilhões de linhas existentes sub e supraterrâneas fica tranquilo mas até lá dá pra queimar um neurônios! É de chorar de ver o mapa das linhas: gigante, colorido, rápido e eficiente! Vai para todos os lugares e buracos e carro…, pra quê???? Nem precisa!

Agora sim: Chegamos no primeiro mundo!!!

Estação de trem principal de Berlin

in Alemanha, Europa, Polonia

Tradução


Continentes

  • América Central-Caribe (1)
  • SlideShow (5)

Contato

Entre em contato conosco !

Respeitamos sua privacidade.