Vida de Viajante – parte 3

0
by on Agosto 20, 2013 at 6:35 pm

 

Tava demorando, né? Bom, pra quem não leu os anteriores, o “Vida de Viajante” foi criado para falar dos perrengues que passamos pelo caminho, afinal uma viagem de 1 ano não é fácil de programar!!! E mesmo com tudo organizado às vezes não sai como gostaríamos, às vezes dá uma M… geral e nessas horas (por mais incrível que pareça para vocês) dá vontade de jogar tudo pro alto e voltar! Claro que essa ideia doida dura segundos e Bife, o mais calmo e sangue frio nessas horas de grandes dificuldades (acreditam?) sempre me acalma e me lembra de quão maravilhoso são nossos “problemas”! Tentarei descrever alguns dos que ainda me lembro:

  • Cansaço e saudade: acho que começaram a incomodar mesmo a partir do segundo semestre da viagem principalmente depois de ter perdido (Mel) uma pessoa muito querida e que tanto me apoiou para estar hoje aqui! Esse foi o momento mais triste e que mais quis estar no Brasil. Decisão difícil e até hoje não sei se a mais acertada. Só foi possível graças a família maravilhosa que tenho e que apesar de toda a dor me estimularam a continuar nesse sonho que já virou de todos um pouco! 
    Pagaríamos em ouro para ter esse prato de novo

    Pagaríamos em ouro para ter esse prato de novo

     

    Sinais de saudade imensa: com tanto restaurante bom pelo mundo, sentir falta de um milho amanteigado que uma amiga comia na festa junina enquanto nos falávamos pelo What’s Up… Pagar MUITO caro em um prato de arroz com feijão no único restaurante brasileiro que achamos até agora e ainda lamber os beiços… Ouvir do marido ao ver uma foto do início da viagem: “é…, aqui você tava mais bem cuidada!” Depois dessa até comprei um tênis novo pra substituir o meu furado. A mochila continua rasgada! E por aí vai…

  • Malas extraviadas na Grécia: esse dia foi desesperador! Quando a mala é só uma mala, tudo bem, mas e quando a mala é toda a sua casa e tudo o que você tem? Devolveram dois angustiantes dias depois!
    Um dos muitos trens que dormimos pelo caminho - India

    Um dos muitos trens que dormimos pelo caminho – India

     

  • Pegar um trem internacional errado na Europa indo para o sentido contrário: isso foi na Romênia! A estação era pior que as da Índia (nada de Europa), todos os sinais eram em alfabeto cirílico e como o trem vinha de Moscow os funcionários eram russos e não falavam inglês. O nosso trem era 08:02 e o que pegamos saiu 08:01 da mesma plataforma (êêê pontualidade européia…, às vezes atrapalha) A passagem tinha sido cara e não reembolsável e o próximo trem só sairia no dia seguinte! Imaginem nosso desespero quando descobrimos? Quis pular do trem andando mas Bife me segurou!

 

  • Encostou, dormiu: isso que dá querer fazer as coisas em um ritmo mais acelerado! A pilha acaba e a bateria pifa em certos momentos! Tem dias que tudo que queremos é ficar no quarto do hotel vendo televisão. Nessas horas o melhor é puxar o freio, tirar um país ou outro do roteiro e passar mais tempo em cada lugar. Se não acaba que alguns lugares turísticos deixam de ser tão interessantes quando não são os “highlights” do país.

 

  • Kit costura e kit lavagem de roupas no banho: importantíssimos! O orçamento não permite comprar roupa toda hora e um furinho pode muito bem ser costurado com habilidades mínimas de costura. E como dizia minha vó: roupa se lava é na mão! Ela demorou anos para aceitar de presente uma máquina de lavar dizendo que nunca lava direito! Pois bem…, vó! Vai ficar orgulhosa de nós de onde estiver…
Dormiu..., com audioguide e tudo!

Dormiu…, com audioguide e tudo!

 

Digna de uma moedinha e um pão duro

Digna de uma moedinha e um pão duro

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  • Correio: o dia que emagrecemos uns quilinhos despachando os excessos para o Brasil! E como eles aumentam com o tempo! É impressionante a nossa capacidade de acumular cacarecos. Na hora parecem tão pequenos mas juntos pesam mais do que deveriam! Tem coisas que com o passar do tempo olhamos e falamos: Meu Deus…, pra quê eu trouxe isso? Acreditam que tem blusa que ainda nem usei??

 

  • As irritantes tarifas de saque e IOFs: não tínhamos contado com elas e tivemos que baixar nosso budget diário depois que nos demos conta que para cada saque que fazemos no cartão de débito nos é cobrado uma tarifa de saque e no crédito uma IOF de 6,7%. Agora fazemos sempre saques máximos! FORA O DÓLAR QUE NÃO PARA DE SUBIR!!! Aaaaarrrggg!
    Como estaríamos se não nos cuidássemos pela estrada afora

    Como estaríamos se não nos cuidássemos pela estrada afora

     

  • Imposto de renda, IPVA, CRM, seguro do carro que ficou, seguro saúde: ainda bem que inventaram banco eletrônico mas mesmo assim alguém no Brasil tem que ajudar! A internet não resolve tudo! Sobrou pra minha mãe!!! Brigada mãaaae!!!

 

  • Troca das datas da passagem de volta ao mundo (RTW): a escolha dos países vai mudar ao longo da viagem, não tem como! Ou porque você não conseguiu o visto (Ex: Japão) ou porque ficou mais do que programou e etc… Como os 16 vôos dessa passagem já tinham data, vira e mexe temos que trocar e não é tão simples!

 

  • Ficar doente: dá medo! Tivemos uma única gripe boba até agora e Bife uma alergia que passou logo! Dependendo do lugar o melhor hospital é de assustar! Fora os remédios que não vem escrita a substância em inglês em alguns países (Ex: Rússia).

 

  • Calor dos infernos não combina com trajes de inverno carioca: Andar toda coberta na Índia (colo, ombros e pernas) foi desesperador com os 38 graus que fazia. Imaginem como será nos 40-45 graus do Iran + véu + mangas compridas…

 

  • Vistos: uma das piores chatices de resolver pelo caminho e às vezes temos que esperar mais do que gostaríamos em determinado país o visto para o outro! Enquanto uns nem precisam de visto, outros parecem que fazem do processo todo uma missão impossível só para que você desista! Como exemplo vejam abaixo a saga do visto para o Iran!

Primeiro passo. Tiramos um novo passaporte (uma grana!) pois o antigo tinha a nossa passagem por Israel o que impossibilitaria nossa entrada no Iran!

Segundo passo. Decidir se você fará o visto através de uma agência (mais recomendado pelos guias de viagem) ou se arriscará tirar no aeroporto na chegada. Algumas pessoas são mandadas de volta com visto negado mesmo sendo de países “não-inimigos”. É uma roleta russa e uma mera questão de “fui ou não com a tua cara”. Uma outra opção é ir direto na embaixada mas dizem que demoram meses e meses para sair (quando sai). Decidimos pela agência!

Terceiro passo. Preenchemos um formulário eletrônico da agência iraniana mas com sede na Turquia. Por causa da sanção econômica os sites de pagamento são bloqueados para qualquer coisa referente ao Iran! Transferimos o dinheiro (que não foi pouco) e mandamos o formulário. Segundo eles em 7-10 dias entregariam um código do governo com o qual teríamos que procurar a embaixada para aí sim dar a entrada no visto mediante o pagamento para tal (que também não é pouco). Os 7-10 dias eram úteis e viraram quase 70!!! Ou seja…, quase desistindo após 2 meses sem resposta da agência apesar dos 1000 emais  enviados perguntando pelo código…, CHEGOU!

Quarto passo. Tirar foto de véu cobrindo o cabelo! Exigido para mulheres. Sendo que para essa mesma etapa tive que comprar um lenço de cor morta clara (não pode colorido que era o que tinha). Claro pelo calor que estará lá!

Quinto passo. Expulsos da embaixada!!! Porta na cara! Chegamos com o código mas o cara não achou nos papéis dele e também mal procurou! Mandou a gente embora resolver com a mesma agência que não respondia nossos e-mails e voltar com o código certo! Mandamos um e-mail desesperançoso para a agência e desistimos! Mas o Iran não nos deixou e incrivelmente responderam no mesmo dia. Voltamos na embaixada e… fechada! “Voltem amanhã” disse o segurança carrancudo mau-humorado empurrando a gente para fora!

Sexto passo. Voltando com o mesmo código que no fim das contas estava certo e o idiota procurou com mais boa vontade, demos entrada finalmente no visto! Não…, não tão fácil assim! Primeiro me irritei que o cara só falava com o Bife e me ignorava solenemente… Depois nos deixou esperando 3 horas até dar um boleto para pagarmos no banco. Ao fim de quase 5h saímos da embaixada com o protocolo para pegar em 2 dias úteis!

Sétimo passo (ufa…, último). Depois de mais de dois meses nesse processo todo, pegamos o visto!

  • Comida: Rússia cara demais, China gordurosa demais, India pimenta demais, Sri Lanka curry demais… Quando o demais fica demais tudo que você quer achar pelo caminho é um Subway!

 

Um por do sol desses compensa qualquer dificuldade!!! Mikonos - Grecia.

Um por do sol desses compensa qualquer dificuldade!!! Mikonos – Grecia.

Como vocês viram e com exceção do primeiro todos os outros irritam e desanimam na hora mas em pouquíssimo tempo esquecemos e voltamos a torcer para que o tempo passe bem devagar e nos dê chance de aproveitar cada segundo, cada novidade e até mesmo cada obstáculo derrubado!

E que venha a Pérsia e seus tapetes!!! Próximo blog virá direto de Tehran!!!

in Asia, India

India: Taj Mahal e o Rajastão: as preciosidades do marajás!

0
by on Agosto 13, 2013 at 1:31 pm

 

Rajastão e os marajás!

Rajastão e os marajás!

Não tenho muito para falar de Delhi com seus pontos turísticos que deixam a desejar comparados ao Taj ou ao Rajastão mas “bypassar” esta cidade e não viver a sua energia não seria completo no roteiro! Seus mercados, seus temperos, sua gente, suas buzinas e o caos de Old Delhi é a maior imersão cultural que você pode ter numa viagem para a Índia! Com um calor de 38 graus, diarréia em andamento, barulho, sujeira e mistura de cheiros bons e ruins…, pedi “PRA SAIR” mas quando saí para o Sri Lanka não via a hora de voltar! A Índia é uma relação de amor e ódio o tempo todo e te marca para a vida! Quanto a Delhi você fica meio sem saber se gostou ou não depois que vai embora e vê outras coisas mais bonitas e interessantes nas outras cidades!

Comidas de rua: vejam o "prato" (pedaço de jornal)

Comidas de rua: vejam o “prato” (pedaço de jornal)

Mas o assédio dos vendedores e a chatice de toda hora ter que negociar preço em tudo que é sobretaxado para turistas (principalmente tuk-tuks) atrapalham um pouco o seu julgamento levando para o “lado negro da força” que talvez não deva ser generalizado! No meio de pessoas que não lidam diretamente com o turismo e não dependem dele e de pessoas com melhor classe social e mais esclarecidas podemos ver que na verdade esse indiano é muito bacana, prestativo, formal e respeitoso! Infelizmente são a minoria… O restante ainda vê a mulher como ser inferior e o turista como uma nota de dolar!!! O assédio e violência sexual é realmente um problema e é perigoso para mulheres andarem sozinhas à noite por exemplo! Dado confirmado conversando com locais…

O favorito: Taj Mahal! Construção mais bonita do mundo (até agora)

O favorito: Taj Mahal! Construção mais bonita do mundo (até agora)

Mas se tem algo que faz seus olhos brilharem e compensa absolutamente tudo é o magnífico encantador Taj Mahal e a história por trás de suas paredes de mármore branco! Amor à primeira, segunda e última vista está na lista das 7 maravilhas do mundo com todo meu apoio!!! Ele vai crescendo à medida que chegamos mais perto e praticamente nos engole de tão imenso! A beleza é ainda maior de perto onde podemos observar melhor os desenhos de florais coloridos feitos em pedras preciosas…! Imagino o dinheiro que deveria valer na época que Shah Jahan mandou construir para abrigar o corpo de sua esposa e grande amor que faleceu dando à luz ao seu 14º filho!!! Não foi por menos que seu próprio filho o mandou prender por querer continuar aprimorando a construção caríssima e megalomaníaca para a época! “O amor do Príncipe Shah Jahan pela Princesa e o Mahal” precisaria de muito “Tetete-re-tete” pra explicar os gastos à população!

O Taj: difícil parar de admirá-lo!

O Taj: difícil parar de admirá-lo!

 

Agra, cidade do Taj, tem também um forte maravilhoso que vale muito a visita! E só! A Índia é assim meio vapt-vupt mesmo: chegou na cidade, viu…, partiu! As atrações são espalhadas, as distâncias grandes e fora as isso não dá para relaxar e “curtir” as cidades mas só quem já veio entenderá o porquê! Até escovão a gente comprou pra lavar o pé de tão sujo que fica no fim do dia…

Coisas da India: as "cortadoras de grama" (com a mão)

Coisas da India: as “cortadoras de grama” (com a mão)

 

 

 

 

 

 

 

 

Vida de marajá e SUAS comcumbinas

Vida de marajá e SUAS comcumbinas

 

 E por fim porém um dos mais importantes é o colorido (e meu preferido) Rajastão! Terra dos marajás, dos saris vermelhos, dos palácios e mansões (havelis) antigas, dos turbantes enormes, encantadores de serpente, das pedras preciosas! A Índia como conhecemos das fotos e o lugar que mais do que qualquer outro atiça nossos 6 sentidos! Tentarei descrever o Rajastão com eles:

Olfato – O cheiro dos resíduos bovinos liberados por via anal (vulgo “bosta de vaca” na linguagem do Bife) piora um pouco já que vacas nas ruas são mais frequentes e estas mais estreitas! Se você ainda não pisou em algum cocô, relaxa pois no Rajastão sem dúvida chegará sua vez! Dica: ande de chinelo mesmo pois fica mais fácil limpar depois! Injusto não falar do cheiro bom das comidas de rua!!!

As tatuagens de henna nas mãos

As tatuagens de henna nas mãos

 

Tato – As tatuagens de henna nas mãos da mulheres são universais e além das mulheres locais, todas as turistas fazem também! Prepare-se para soltar o dedo no botão da máquina fotográfica pois o Rajastão é um festival de cores, enquadramentos, retratos e planos de fuga! Moscas…, toda hora e lugar!

Paladar – “Por favor, NO SPICY!” Pedir sem pimenta nenhuma é no mínimo apimentado demais para os não acostumados afinal a pimenta está nas panelas, nos dedos das moças cozinheiras, no ar…, em tudo! Igual aquele pão na chapa de padaria que vem com o gosto do bacon do sanduíche anterior e nunca entendemos porque o de casa não fica tão bom…!Cuidado! Mas com pimenta na medida certa, conseguimos apreciar os temperos e receitas indianas que são divinos! São especiarias que nunca tinha ouvido falar, todas juntas no mesmo prato. Nunca achei que gostaria tanto de queijo cottage!

Os coloridos saris do Rajastão

Os coloridos saris do Rajastão

Visão – Qual outro lugar do mundo que tem uma cor por cada cidade? No Rajastão houve uma convenção entre os marajás reinantes e cada um escolheu uma cor para sua! Temos a azul Jodhpur, a amarela Jaisalmer, a branca Udaipur e a “pink” Jaipur!. Todas as casas e palácios são da mesma cor fora os saris das mulheres que são os mais coloridos da Índia! Os lixos no chão e lamas das cidades ficam até disfarçados…

A azul Jodhpur e a rosa Jaipur: cidades do Rajastão

A azul Jodhpur e a rosa Jaipur: cidades do Rajastão

 

Nas casas azuis de Jodhpur

Nas casas azuis de Jodhpur

Audição – É impressionante a capacidade de adaptação do ser humano e eu que já até chorei por essas bandas vejo tudo hoje, depois de 20 dias de Índia, com uma normalidade muito maior!  E os nobres de espírito que se acostumam com a vida na Índia sem dúvida poderão viver melhor em qualquer lugar do mundo! Chegamos quase lá, reprovados apenas no quesito BUZINAS…!!! Esse não dá pra aturar!

e o 6º sentido” – É aí que começa a parte legal quando você entende que É ASSIM QUE É e provavelmente será por muito tempo a não ser que façam como a China e implementem algum controle de natalidade por aqui!  Ao menos eles não parecem revoltados e dão gargalhadas dos contratempos! Nós também passamos a dar e a aproveitar muito mais esse país incrível! Talvez a religião conforte. Talvez vivam em constante estado de meditação. Talvez sejam felizes!

 

 

Palácio dos ventos: Jaipur

Palácio dos ventos: Jaipur

Mas… e os famosos marajás? Quem foram? Provavelmente os que concentraram as riquezas e esbanjaram exageros ao invés de ajudarem o país a se desenvolver! Muitas destas famílias descendentes ainda existem e ainda moram em palácios até hoje! Cada cidade do Rajastão mostra um pouco da herança dos seus marajás: fortes, palácios e mansões. Eu gostei mais de Jaipur (a cidade rosa) mas vai muito do gosto de cada um! Demos sorte de pegar um festival que comemorava o início das monções (chuvas) e a união de Shiva com Parvati (Deuses hindús). Jaipur e Jodhpur ficam mais na rota do trem o que torna mais fácil escolhê-las dentre as outras e foi o que fizemos já que Bife não queria voltar para o deserto (Jaisalmer) onde teve uma

Teej: festival nas ruas de Jaipur

Teej: festival nas ruas de Jaipur

experiência não muito boa no passeio de camelo… Era tão desconfortável que pagou por um dia, andou 10 minutos e carregou o camelo pelo deserto no restante!

Missão cumprida! Fim da Índia, de volta a Delhi onde pegaremos nosso visto e partiremos para o desconhecido: IRAN…, aí vamos nós!!!! U-huuu (?)

E pode vir com tudo Cristalina!!!! Tô ouvindo os ecos da India te chamando…!!!

Colégio em Nova Delhi

Colégio em Nova Delhi

in Asia, India

De férias das férias: pausa para o trabalho!!! Chennai, Índia.

0
by on Agosto 8, 2013 at 2:41 pm

 

Apollo's Hospital - Chennai, India

Apollo’s Hospital – Chennai, India

 De volta à Índia em grande estilo! Após contato com a Dra. Suchitra Ranjit, referência no atendimento às crianças graves com dengue na Índia e no mundo…, consegui ficar 2 dias visitando os hospitais que ela trabalha! Foi uma experiência maravilhosa pois temos muito que agradece-la por ter publicado trabalhos excelentes sobre a sua vivência…, o que nos ajudou muito no início da epidemia de dengue em 2008 a salvar muitas crianças graves nas emergências e UTIs do Brasil todo!

 

Dra. Suchitra Ranjit - referência em dengue na criança

Dra. Suchitra Ranjit – referência em dengue na criança

 

 

 Ela foi simplesmente maravilhosa e além de me mostrar o Apollo’s Hospital onde atualmente ela chefia a UTI pediátrica (privado e o melhor da Índia), foi comigo em mais 2 outros hospitais: um público tipo o Souza Aguiar, sem recurso nenhum e um outro privado mais barato onde os recursos são bons e o volume de pacientes é bem maior! Fiquei surpresa pois apesar da miséria do país eles conseguem fazer um bom trabalho por aqui e sinceramente nossos hospitais públicos “não federais” são iguais ou até piores que os deles (lembrem-se que estou falando de um país muito mais miserável que o Brasil). Uma vergonha!

 

 

A apresentação em inglês: desafio!

A apresentação em inglês: desafio!

Me deu um certo pânico pois tive que apresentar com microfone e tudo uma aula para todo o hospital sobre como é a nossa medicina no Brasil! Ela pediu e não tive coragem de negar apesar dos gaguejos no inglês! Bife foi meu “diretor” e treinou comigo mil vezes antes! Ensaiei como nos velhos tempos em que fazia teatro e a platéia era tão legal que no fim deu tudo certo! UFA!!! Obrigada Dani (chefe) por ter me mandado o material e as fotos!!!

 

 

 

A entrada da UTI pediátrica - Apollo's Hospital

A entrada da UTI pediátrica – Apollo’s Hospital

  No final dos 2 dias pude perceber o quanto amo meu trabalho e a falta que ele me faz! É uma correria, cansaço e falta de tempo tão grande que não temos um espaço no meio de tanto plantão para perceber o quanto tudo isso nos faz feliz! Ninguém nunca (muito menos esses políticos desprezíveis) vai conseguir entender e valorizar o quanto estudamos, o quanto nos dedicamos, o quanto das nossas vidas deixamos de lado, quantos feriados, Natais e Anos Novos passamos longe da família e amigos e o quanto seria justo em retorno financeiro para pagar por tudo isso!!! E mais uma vez digo: não fazemos pelo dinheiro e dessa filosofia e “sacerdócio” como dizem se aproveita o governo para manter os salários muito abaixo do que seria justo para um profissional tão qualificado! Não…, definitivamnte não é o dinheiro que nos move mas a falta de valorização como um todo do profissional (incluindo salários indignos e péssima estrutura de trabalho nos hospitais públicos) é que nos FREIA! Essa é a explicação para a suposta “falta de médicos” em determinados lugares onde falta de tudo que é mais básico para se trabalhar com a mínima estrutura! Quem é que tanto estudou e se especializou para tratar os pacientes com “ervas e reza” em um hospital do interior que não tem nada? Nem pelo maior salário do mundo! Reforçando: estou falando de médicos de verdade e de caráter, bem formados e bem preparados que infelizmente não são todos os que tem CRM atualmente! Falo por mim e pelos meus colegas de trabalho e faculdade, pelos meus chefes e exemplos a serem seguidos, pelos meus professores e pelos que mantém o compromisso com o paciente e com o ensino…, com o juramento e com à vida!

Semana da amamentação - palestras no auditório

Semana da amamentação – palestras no auditório

Mas queixas à parte…, foi ótimo ver um país tão pobre com uma medicina de qualidade onde o médico ainda é “O MÉDICO”, valorizado pelo país e pelos pais, amado por seus pacientes e respeitado por todos! Onde mulheres são chamadas de “Mams” (madames) e homens de “Sir”!!! Nem mesmo as crianças choram quando chegávamos em seus leitos para o round e isso achei incrível! Um hospital pediátrico silencioso!!!

 

Dra. Suchitra e o cirurgião cardíaco - PO cardio

Dra. Suchitra e o cirurgião cardíaco – PO cardio

 Deixo um agradecimento a todos do hospital Apollo que me receberam tão bem, me deixaram participar dos rounds, me mostraram seus setores com detalhes e um agradecimento especial a Dra Suchitra que foi impecável e irá novamente ao Rio em novembro para uma palestra! Espero que todos possam prestigiá-la em sua aula!!! Estaremos ainda pela estrada terminando um sonho do qual vai ser muito difícil de acordar!!! Um sonho que tem sido o desafio mais maravilhoso que já encaramos e firmes e fortes vamos colhendo os frutos!!!

 

5

 

 

Recebemos hoje a notícia que nosso visto para o Iran saiu…, no mesmo dia que os jornais anunciaram a possibilidade de um ataque terrorista aos EUA agora em agosto… E agora José??? Estaremos seguros??? Pelo menos estaremos mais seguros que os moradores de Nova York!!! Oremos. Amém!

Quarto de plantão: alguma semelhança?

Quarto de plantão: alguma semelhança?

in Asia, India

Da fé no Ganges às origens do Kama Sutra: Varanasi e Khajuraho!

0
by on Julho 30, 2013 at 5:57 am

 

IMG_4388baixa

Essa é a Índia! Uma surpresa em cada esquina, sentimentos diversos e controversos, revisão de conceitos! Uma coisa é certa: não saímos dela os mesmos! Há quem ame…, há quem odeie! Uns ficam mais do que o planejado…, outros não vêem a hora de ir embora! Culturalmente milionário para compensar os bolsos vazios da população, me tirou alguns parafusos, apertou outros e reforçou a minha percepção do quanto sou feliz!

Ritual diário no Ganges: mulheres lavando roupa e tomando chá!

Ritual diário no Ganges: mulheres lavando roupa e tomando chá!

 

 

 

 

 

 

Para provar que não é a miséria que gera violência aqui estamos dividindo compaixão pelas ruas dias e noites sem a menor sombra de medo! Eles querem dinheiro sim mas pedem e fazem malabarismos por ele…, não tomam! Tá no sangue e na religião…, único motivo pelo qual extremistas matam e morrem! A mesma religião que hoje conforta tantos já devastou ambos os lados! Hindús e muçulmanos não cederam aos apelos de “não-violência” de Mahatma Ghandi, o maior líder espiritual da Índia e do mundo nos “últimos tempos”! E depois da saída dos ingleses (colonizadores que tomaram a Índia de Portugal) a situação só piorou: criou-se o Paquistão para abrigar os muçulmanos coladinho ao Afeganistão e o restante das terras mantém o Hinduísmo à fio, religião cheia de Deuses, dentre eles o que mais simpatizei: Ganesha…, o cabeça de elefante!

Passeio de barco no Ganges

Passeio de barco no Ganges

No meio de tantos Deuses e Deusas pela primeira vez pude ver um: o Ganga (Deus do rio Ganges, sagrado para os hindús). Na verdade vi só o rio cor de barro e a fé dos milhões de peregrinos que vem todos os dias e noites à sua beira para tomar banho, escovar dentes, “enterrar” (ou melhor…, naufragar) seus mortos, rezar, lavar roupa, dormir… e etc!

Isso acontece na cidade de Varanasi onde muitos vem de bem longe só para louvar o rio Ganges! A sua margem vai ganhando vida no nascer do sol com o ritual de “limpeza” diário da população e cremação dos defuntos que quando podem viajam até de avião para chegar alí!

IMG_4455baixaA melhor forma de ver as disputadas ghats (escadarias para o rio) é fazendo um passeio de barco! Ainda bem que antes de mergulhar como muitos turistas felizes e contentes fui pesquisar as causas da cor de barro e cheiro estranho e descobri que junto com restos de pasta de dente, caroços de lentilha, corpos e cinzas de mortos (animais e humanos), sabão em pó, eliminações humanas naturais, drenagem do esgoto da cidade e oferendas para o Ganga…, nadam mais de 60.000 coliformes fecais por 100ml (120 vezes mais que o aceitável). Brincadeiras à parte (jamais pensei em nadar com um defunto), é seríssima a situação ambiental e culturalmente impossível de resolver expondo à população à doenças várias que eles acabam atribuindo a qualquer coisa menos ao rio que só cura e purifica!

O final de uma cremação e as cinzas dos corpos

O final de uma cremação e as cinzas dos corpos

As cremações acontecem diariamente em duas das ghats e é na fogueira mesmo! A família junta todo o pouco dinheiro que têm para pagar a lenha e as cinzas vão para o rio exceto as dos 5 tipos de defunto que não podem ser cremados:  crianças, mulheres grávidas, sadhus, picados por cobra ou leprosos! Estes são jogados no meio do rio e só quando boiam acabam enterrados na outra margem inabitada.

Nunca vi fé maior…, nem em Jerusalém! Minha vontade como médica era de sair distribuindo remédio de verme pra todo mundo mas estaria sem dúvida tentando enxugar o gelo do polo norte (comparando)!!!

 

Gringos no Ganges

Gringos no Ganges

 

Em Varanasi é basicamente o que tem para ver junto com as ruelas da cidade velha! Dois dias são suficientes!

Partimos de “slepping train” para Khajuraho e as condições do trem foram até bem tranquilas superando minhas expectativas com exceção da estação em si onde pessoas se espalham pelo chão nada limpo e muitas até tomam banho por  lá mesmo, no meio de todo mundo em umas bicas a céu aberto!

 

 

Nos trens da Índia!

Nos trens da Índia!

Khajuraho abriga um complexo de templos hindús bem bonitos e intrigantes pois em suas paredes podemos ver esculpidas várias figuras sensuais e eróticas e verdadeiras orgias de estátuas humanas e de animais! Posições sexuais das mais diversas nas paredes do Khajuraho acabaram inspirando a criação do Kama Sutra! O motivo ninguém sabe e dizem os mais religiosos que elas significam a propagação do amor, a virilidade do imperador e a procriação! Mas se olharmos com detalhe podemos ver cenas de masturbação e pansexualismo…! Procriar? Com um cavalo? Ah…, conta outra!!!

Nas paredes do Khajuraho: observem os detalhes!

Nas paredes do Khajuraho: observem os detalhes!

Uma boa dica é tentar descobrir todas as malandragens do indiano com o turista em guias de viagem e blogs antes de vir para cá! Aí vão algumas delas:

  1. Quarto Deluxe – Esquece!!! Tirando os hotéis de rede conhecida, duvide! Eles colocam isso no site para poder cobrar a mais pelo mesmo quarto! Se você pedir para ver o Standard descobrirá que é igualzinho! A explicação quando questionamos: “não…, é diferente…, quando
    A fé e o banho: Ganges, Varanasi.

    A fé e o banho: Ganges, Varanasi.

    a pessoa paga pelo standard não deixamos ligar o ar condicionado!”

  2. Taxis e tuk-tuks – são os mais artistas de todos! Leiam o post anterior para ver do que são capazes! Sempre tem um lugar para te levar na volta ou no caminho de onde você quer realmente ir para ganharem suas comissões. Cobram geralmente do turista 3X mais (preço inicial) e 2X mais (preço final)
  3. Sister” hotel – quando um hotel lota, ao invés deles tirarem os quartos da disponibilidade de booking, eles te mandam para um outro hotel-irmão…, que não foi o que você reservou e de qualidade geralmente bem inferior! Leve sempre suas reservas impressas ou num iPad ou iPhone…
  4. Não confie nas fotos! – nunca refletem o que geralmente é a olho nú. Fotografam o melhor quarto do hotel todo arrumado e decorado e quando você entra: surpresa!!! Torça para pelo menos a toalha ser limpa!
  5. No final de qualquer conversa…, com qualquer pessoa…, por mais legal que ela possa ser…, sempre vem claramente ou nas entrelinhas o que ela quer te vender!
Templos do Khajuraho

Templos do Khajuraho

  1. Tips” (gorjeta) – pedem por qualquer coisa! Abriu a porta do carro pra você…, te ajudou a colocar a mochila nas costas, abriu a torneira do banheiro para você lavar a mão, te ajudou a achar algum caminho…: TIPS! Ande sempre com notas pequenas ou não aceite nenhum tipo de ajuda se não quiser dar nada!

E por aí vai…

Fico na dúvida se, como mulher, viria sozinha para a Índia em um esquema independente! Acho que o mais recomendado seria um esquema meio termo entre o nosso e o famoso pacotão onde você fica em um mega hotel…, anda pra um lado e pra outro de motorista com ar condicionado…e etc…! A Índia não combina com um jantar à luz de velas em um mega restaurante…, na verdade você até se sente mal em pensar em algo do tipo! Algumas empresas fazem esse “meio-termo” e permitem que você tenha uma certa interação com a população local colocando trajetos em trem e tempos livres! Acho a forma mais segura e menos desgastante para mulheres não tão guerreiras e do tipo “topa-tudo” que queiram vir sozinhas! Para dar um exemplo, no único dia que saí de blusa de alça e com ombros de fora (estava quase 38 graus)…, um senhor passou a mão na minha perna com o Bife do lado! E ainda ficou rindo!!!

 

"Mama Ganga" - ritual diário da população

“Mama Ganga” – cachorro morto e homem tomando banho!

 

Mas apesar de tudo é um país que todo mundo deveria ver uma vez na vida! O choque cultural é de muitos e muitos Voltz…, o Taj Mahal compensa tudo…, as cores dos saris disfarçam a sujeira e a comida é de lamber os beiços!!!

Querem saber da aposta??? PERDI feio…! Tive um baita “piriri” no dia seguinte que escrevi o post!!!

in Asia, India

“Incredible India”: o soco no estômago!

0
by on Julho 22, 2013 at 6:42 pm

 

O Hinduísmo e os evoluídos Sadhus

 Nenhum slogan seria mais perfeito: só vendo pra crer! Bife já tinha vindo e me preparado, uma grande amiga morou aqui 1 ano, já tínhamos lido vários blogs de outros viajantes e… POW! Soco na boca do estômago…, nó na garganta… e umas lágrimas que escaparam sem meu comando no meu primeiro dia neste país único, miserável e inacreditavelmente conformado! A India tão procurada pelos navegadores do passado parece hoje tão esquecida pelo resto do mundo…

Miséria, sujeira, poluição, gente que não cabe nas ruas e… QUE ruas!!! Não existem calçadas e sim uma loucura confusa que te deixa tonto com tanta gente, tanta buzina, tanta vaca no meio (como é sagrada não pode ser enxotada), tanto lixo e cocô, tanto vem e vai de tuk tuks (carroças motorizadas), riquixás (carroças nas bicicletas), bicicletas e carros…, um tanto de tudo! Você parece que entra em transe e fica “viajando” na cena de boca aberta até a volta para o hotel! As vacas dão um ar mais psicodélico ainda… 

As ruas de Varanasi: uma loucura!

 

Pouquíssimas mulheres andam nas ruas e pouquíssimas realmente precisam já que a sociedade ainda é bem machista e mulher trabalha é em casa! É até bem estranho só ver homens nas ruas e vim como me recomendaram para não me tornar ainda mais o centro das atenções, apesar do calor que está fazendo: roupas largas e compridas escondendo ombros e pernas! Estupros tem sido frequentes por aqui… Sensacionalismo de jornais? Talvez mas…, melhor previnir já que depois não dá para remediar!!!

 

 

Os sensuais “saris” das indianas

Chegando aqui descobri (para minha surpresa) que as indianas são muito mais sensuais do que qualquer gringa! De pele morena e com suas roupas e panos coloridos e que deixam à mostra toda a cintura…, elas arrasariam em qualquer desfile de moda se não fossem os dentes podres e unhas imundas…

A pele é única e se reconhece um indiano de longe: moreno quase negro, de olhos bem expressivos e marcantes, boca escura, esmirradinho (pequenos e magros geralmente), calças e blusas de botão de mangas compridas independente do calor de quase 40 graus e cabelos lisos e negros de dar inveja (os mais velhos pintam…, não gostam de cabelos brancos)!

A sociedade é tão focada no homem que existem até mictórios a céu aberto! A atmosfera (e cheiro) fica ainda mais parecida com uma saída de Vasco e Flamengo no Maraca! Suor melado, buzina pra todo lado e cheiro de xixi! O problema é seu se estiver passando na hora! Nas ruas também vemos barbeiros e “tiradores de cera” oferecendo seus serviços!

A beleza exótica do povo indiano

 

Pessoas dormem em qualquer lugar e de qualquer jeito: “calçadas” (laterais das ruas melhor dizendo), meio fio (quando tem), estações de trem, nas suas próprias bicicletas ou barcos… Cada uma com suas 5 ou mais moscas que constantemente lhe pertencem e dominam as cidades! Comer ao ar livre é uma ginástica de abanos e alguns pingos a mais de suor!

Chegamos em Delhi em grande estilo: à noite, 35 graus, pegando o taxista mais artista do mundo que primeiro disse que não sabia onde era nosso hotel, depois nos levou a um “tourist information” falso que ligou para o hotel e disse que não acharam nossa reserva e depois de muito insistir, quando já estávamos ao ponto de voltar ao aeroporto e pegar outro taxi…, ahhh…, ele lembrou! Nos deixou no hotel certo a contra gosto por não ter tirado de nós nenhuma comissão… Lemos que às vezes eles dizem até que o hotel pegou fogo para nos levar à outro que dão comissão… Artistas…! E ao chegar no quarto: surpresa!!! Bife pisou num grande cocô da vaca! Benvindos à India!!!

Nas ruas de Delhi

 

Isso na India cansa muito…, somos uma grande nota de dolar ambulante pra eles e magnetizada! Como se já não bastassem as moscas, todo mundo vem em cima de você tentando vender alguma coisa, ser “amigo”, ensinar o caminho…, mas no fim, o objetivo é o mesmo: um trocado!

 

Que saudade do “Werner Coiffeur” – cabeleireiro em Delhi

 

 

E trocado aqui vale muuuito…! O poder de compra de 1 dólar é o maior do mundo (pelo menos a parte que conhecemos). Tudo é barato demais e realmente dá pena de ver o que eles são capazes de fazer por 1 dólar (ou bem menos)! Muitos deixam barbas, cabelos e bigodes crescerem e se vestem de Sadus (homens santos para o hinduísmo, religião predominante) só para que você tire foto e deixe uma moeda… Os motoristas dos tuk-tuks andam o dia todo contigo pela cidade ficando à nossa disposição e não cobram nem 5 dólares por isso! Mães colocam seus filhos para nos seguir chorando pedindo dinheiro com o irmão menor no colo e lágrimas de verdade! Muitos aprendem a falar “money” antes de “mom”…  

A Vaca: animal sagrado para os hindus

 

E apesar de já ter viajado bastante pela África, me assustei! A cada passo que damos aqui na India, percebemos o quanto somos insatisfatoriamente felizes…, queremos sempre mais e mais e muitas vezes deixamos de entender que o que já temos é mais do que suficiente e decente para uma vida com qualidade! E se temos o suficiente não deveríamos brigar pelo excesso mas brigar sim para que o resto da população tenha o mesmo! Transporte, educação, alimentação e saúde é dever do governo e direito de todos! A maioria dos indianos não sabem o que é isso…, nunca tiveram! Da população, 37% é analfabeta e quase metade vive na miséria total com uma média de 1,2 dólares por dia! Gente demais, emprego de menos e morrem ainda de infecção intestinal! O número de habitantes é quase o da China (1,2 bilhões) só que em uma área bem menor… E vejam…, a India está entre as 10 maiores economias do mundo!!! Ou seja: isso tá longe de ser um indicador de qualidade de vida!

 

Mas como me é característico tento ver sempre o lado bom de tudo e dessa forma vejo a India como um grande ensinamento! O povo não parece se incomodar e por mais incrível que pareça são felizes dentro de toda a tristeza que enxergamos. Talvez só a gente veja já que não se pode desejar o desconhecido…, algo que nem se saiba da existência! O trânsito é caótico, não existe lei mais ninguém xinga ninguém (por mais que tenham motivo)! As ruas não parecem inseguras e apesar de bem espertinhos, nenhum deles tem aquela cara do menino de rua das nossas cidades tipo: “me dá um dinheiro se não eu pego mesmo assim”!

Todo mundo tem algo pra te vender!

 

A religião é o centro de tudo e se existe um país para o qual ela é boa, é aqui! O hinduísmo é dividido em castas e se você nasceu em uma, morre nela! Ou seja…, uma vez pobre…, sempre pobre! Talvez por isso todos pareçam ser tão conformados e confortados! A pior das castas é a dos antigos “Intocáveis” ou Dálits…, estes, coitados, são ainda discriminados e banidos da sociedade. Muitas vezes o único emprego que podem ter é o de limpador de latrinas!

Emprego não falta e nem desemprego! Quero dizer que eles contratam mil pessoas para fazer o mesmo serviço e ainda assim são tantos que muitos nada conseguem. É o único lugar do mundo que tem 2 funcionários por porta de vagão do metrô em cada estação para controlar a entrada e saída dos passageiros…, no aeroporto passamos por 3 guardas que fazem exatamente a mesma coisa (confere ticket e passaporte antes de te deixar entrar) e mais uns 20 da companhia aérea (um pega sua  mala, o outro coloca a etiqueta, o outro pesa e mais um outro tira)…, no banheiro masculino tem um cara para te dar o papel e depois colocar na sua mão o sabão…, no feminino não (mulheres não trabalham)…, restaurantes e lojas tem um “bacana” só para abrir a porta para você entrar e por aí vai…

 

O “risoto” indiano – street food (pena que as unhas do cozinheiro não aparecem!). O cheiro era maravilhoso!

Mas se tem algo que merece um grande elogio é a comida! Huuuummmm!!! É maravilhosa! Apimentada na medida certa e sem exageros…, com condimentos mil (“santas” especiarias!) e saborosíssimas! Pra quem vem da China então…, fica melhor ainda! Galinha e cordeiro substituem a carne de vaca até mesmo no Mc Donald’s (sagrada…, lembrem!) que não faz falta nenhuma! E o “naan” amanteigado ou com queijo é imperdível (o pão árabe deles de massa caseira e levemente tostado).

Diarréia é certa e todas as pessoas que conheço que vieram pra cá tiveram! Dessas todas, uma ainda teve febre tifóide e a outra catapora…! Vacine-se!Cuidados básicos são essenciais e não dá para se aventurar nas milhões comidas de rua…, muitas com uma cara até bem boa…! Muito menos dar um mergulhinho no sagrado Ganges (mais este merece um post à parte e será o próximo!). Água só lacrada, nada de suco em lugar não confiável (a maioria) e nem chá de cortesia! Evite saladas e comidas cruas!

Fiz essa aposta de um tênis com Bife já que os nossos já estão furados: que não teria diarréia nos 20 dias de India… SERÁ? Depois do cogumelo preto que veio no meu prato ontem… Veremos!!!

in Asia, India

Tradução


Continentes

  • América Central-Caribe (1)
  • SlideShow (5)

Contato

Entre em contato conosco !

Respeitamos sua privacidade.